Gnosticismo, Gnose, Nova Era





Gnosticismo era um movimento religioso (não uma religião única e identificável) e filosófico, amplo (popular em todo o mundo greco-romano, nos séculos I e II), multifacetado e difuso (permeando muitas outras religiões e filosofias): apesar de poderem diferir em algumas preferências ou avaliações subjetivas sobre importâncias relativas, gnósticos caracterizavam-se por todos basicamente clamarem possuir ou procurarem supremamente algum tipo de conhecimento secreto (Gnose) sobre as naturezas do universo e da existência humana. Gnosticismo, Gnose e Nova Era são re-expressões da tentação do Diabo em Gen 3:4-5:
4 Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis. 5 Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, SABENDO o bem e o mal.


Através dos séculos o gnosticismo tem sobrevivido, aqui parecendo ter se recolhido às sombras, ali reaparecendo com vigor  sob novos e diferentes nomes e disfarces. O movimento Nova Era (particularmente a seita Gnose) é nada mais que o atual e multifacetado reavivamento do Gnosticismo. Por isso escolhemos estudar tudo junto.



As idéias básicas do Gnosticismo, Gnose e Nova Era permeiam várias religiões, filosofias, a psicanálise, a medicina, os filmes músicas e meios de comunicação, a política, a sociologia, etc., abrangendo termos tais como:

acupuntura, adivinhação, alienígenas, alquimia, amuletos, aromaterapia, astral, astrologia, aura, bio-feedback, bio-realimentação , bruxaria, cabala, canalização, chakras, clariaudiência, clarividência, consciente, consciente coletivo, contatos imediatos de terceiro grau, cristais, cromoterapia, despachos, duendes, energia cósmica, engenharia genética, espiritismo, espíritos guias, estados alternados de consciência, ETs, eugenia, evolucionismo, extra terrestres, fadas, fascismo, feitiçaria, filtros, fotografia kirliana, genoma, gnosticismo, guias, gurus, hipnose, holístico, homeopatia, humanismo, I Ching, ioga, iris-terapia, kardecismo, karma, kundalinio, maçonaria, magia, magia branca, magia negra, mágica, mantra, marxismo, medicinas alternativas, médium, mediunidade, melhoria racial, mestre ascendido, metafísica, misticismo, monismo, naturalismo, nazismo, necromancia, nirvana, numerologia, o eu superior, oculto, panteísmo, paranormalidade, pedra filosofal, pensamento positivo, PES percepção extra-sensorial, pirâmides, poções, poder da mente, poder da palavra, psi, psicocinese, psíquico (médium), quiromancia, reencarnação, registros akashicos, samadi, sensitivo (medium), símbolos gráficos e sonoros, sincretismo, sincronicidade, sinergia, sintropia, sortilégios, tantara, tao, tarô, teísmo, telecinese, telepatia, transe, visão global, Yang, Ying, zen, zodíaco.

Citaremos o verbete "Gnosticismo" de O Novo Dicionário da Bíblia, Edições Vida Nova, vol. II, 2a. edição, páginas 674 - 675, 1978 (ênfases por sublinhados são minhas, de Valdenira):



GNOSTICISMO:


Termo derivado do vocábulo grego gnosis, 'conhecimento', e tradicionalmente aplicado a um conjunto de ensino herético que a Igreja primitiva teve de enfrentar nos dois primeiros séculos de nossa era. Entretanto, atualmente é largamente aplicado para aquelas formas da religião helenista, tanto pré-Cristã como pós-Cristã, que exibem características semelhantes àquelas heresias (vide LITERATURA HERMÉTICA), e algumas vezes a qualquer forma de religião em que o dualismo e a possessão de conhecimento superior são elementos importantes: por isso tem sido aplicado a certas porções do Novo Testamento e, de fato, ao Cristianismo como um todo.



I. CARACTERÍSTICAS

A classificação corre o perigo de tornar-se por demais lata e variável para continuar sendo útil. Entretanto, visto que o termo gnosticismo é por consenso comum aplicado a certas [várias] heresias surgidas no seio da Cristandade, essas heresias podem servir como índice de seus característicos. A despeito de enormes diferenças quanto ao conteúdo intelectual e moral, e em proximidade para com o Cristianismo autêntico, é possível traçar nessas heresias um fundo comum de idéias. Os inimigos dessas idéias, os Pais da Igreja, nos provêem a principal evidência a respeito, mas citavam livremente os escritos gnósticos, e as recentes descobertas em Quenobosquiom (q.v.) sugerem que os Pais da Igreja, apesar de se terem mostrado inteiramente francos em sua opinião, não estavam mal informados.



A nota chave do gnosticismo era o conhecimento: a possessão de certos segredos que serviriam afinal para unir a alma com Deus. O fim do conhecimento era, dessa maneira, a salvação, a qual incluiria na concepção dos gnósticos, purificação e imortalidade, e se baseava num arcabouço de filosofia contemporânea, mitologia ou astrologia; os diferentes elementos contribuintes e prevalentes davam origem a sistemas diferentes. No gnosticismo a total separação entre Deus e a matéria (reputada, conforme o dogma grego, como inerentemente má) era ponto subentendido, e o drama da redenção se efetuava dentro de um complexo de seres intermediários. A alma do homem que podia ser salvo, na idéia gnóstica, era uma fagulha da divindade aprisionada no corpo: a redenção, pois, consistia para eles da libertação da alma de sua contaminação corporal e de sua absorção por sua Fonte.



Quase todas a doutrinas Cristãs cardeais foram revisadas nos moldes desse pensamento. O arcabouço mitológico da redenção não tinha qualquer ponto de contacto com o Antigo Testamento (o qual era rejeitado ou pelo menos ignorado), enquanto que era diminuído a significação dos fatos históricos do ministério, da morte e da ressurreição de Jesus. De fato, a opinião sobre Deus e o homem, conforme fica subentendida, freqüentemente levava à negação da realidade dos sofrimentos de Cristo e, algumas vezes, da realidade da própria encarnação do Filho. A criação, segundo o gnosticismo, teria sido um acidente, um equívoco, ou até mesmo o ato malévolo de um antideus. A ressurreição e o julgamento eram re-interpretados para que fossem refinados seus pontos 'crus'. O pecado se tornava uma contaminação de fácil remoção; a Igreja era substituída por um clube de indivíduos 'iluminados' que supostamente possuiriam segredos escondidos da multidão daqueles que não se podiam salvar e até mesmo dos não-iniciados ainda que afirmassem possuir o mesmo Redentor. A ética se centralizava em torno da manutenção da pureza, a qual, em muitos casos, envolvida a negação do sexo e de outros apetites físicos, enquanto que noutros casos (baseando-se nas mesmas premissas), envolvia a prática de uma indulgência sem quaisquer restrições.



II. DESENVOLVIMENTO

Sincretismo e acomodação são partes da essência do gnosticismo. A dívida -- freqüentemente muito indireta -- à filosofia grega, é óbvia; entretanto, o gnosticismo é mais do que (na famosa frase de Harnack) 'a aguda helenização do Cristianismo'. Antes da vinda de Cristo, o misticismo oriental, o asceticismo, e a astrologia entraram num mundo grego-romano despedaçado pelo temor da morte, tendo surgido aquilo que Gilbert Murray chamou de 'O Fracasso dos Nervos' (Five Stages of Greek Religion, 1925, capítulo iv). O racionalismo confiante cedeu lugar à busca pela salvação. As forma de pensamento que caracterizam tantas das heresias da Cristandade já eram observáveis em algumas religiões helenísticas pré-cristãs.



Tem sido insistentemente afirmado que o pensamento religioso gnóstico emergiu de elementos gregos e orientais, sob a influência, como estimulante ou transmissor, do Judaísmo disperso. Apoio para este ponto de vista (rejeitado por Jonas e outros) tem sido tirado dos documentos quenobósquios (vide R. M. Grant, Gnosticism and Early Christianity, 1959). Porém, ainda é cedo demais para dogmatizarmos; contudo, é digno de nota que a maior parte dos ensinos do tipo gnóstico, mencionados no Novo Testamento (vide abaixo), conta com elementos judaicos, que as primitivas congregações cristãs eram freqüentemente herdeiras das sinagogas da dispersão, e que os Pais da Igreja vêem as heresias quase como uma sucessão desde Simão Mago (q.v.). Existem mesmo eruditos que reputam o Cristianismo como apropriador e re-interpretador de um mito-Redentor básico do gnosticismo (cf., por exemplo, R. Bultmann, Primitive Christianity in its Contemporary Setting, 1956, pags. 162ss), ainda que, até o momento, não tenha sido possível demonstrar que tal mito fizesse parte integral do pensamento gnóstico pré-Cristão; nem são os documentos Mandeanos de seus modernos descendentes (vide NAZARENO) altamente relevantes a respeito das primitivas seitas 'batistas' da Palestina, visto que sofrerão tão poderosas influências posteriormente.



III. O GNOSTICISMO E O NOVO TESTAMENTO

A 'heresia colossense' combinava especulações filosóficas, poderes astrais, reverência a intermediários angélicos, tabus alimentares, e práticas ascéticas com empréstimos do Judaísmo (Col 2:8-23; vide COLOSSENSES).

8 Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo; 9 Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade; 10 E estais perfeitos nele, que é a cabeça de todo o principado e potestade; 11 No qual também estais circuncidados com a circuncisão não feita por mão no despojo do corpo dos pecados da carne, a circuncisão de Cristo; 12 Sepultados com ele no batismo, nele também ressuscitastes pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dentre os mortos. 13 ¶ E, quando vós estáveis mortos nos pecados, e na incircuncisão da vossa carne, vos vivificou juntamente com ele, perdoando-vos todas as ofensas, 14 Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz. 15 E, despojando os principados e potestades, os expós publicamente e deles triunfou em si mesmo. 16 ¶ Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados, 17 Que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo. 18 Ninguém vos domine a seu bel-prazer com pretexto de humildade e culto dos anjos, envolvendo-se em coisas que não viu; estando debalde inchado na sua carnal compreensão, 19 E não ligado à cabeça, da qual todo o corpo, provido e organizado pelas juntas e ligaduras, vai crescendo em aumento de Deus. 20 Se, pois, estais mortos com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos carregam ainda de ordenanças, como se vivêsseis no mundo, tais como: 21 Não toques, não proves, não manuseies? 22 As quais coisas todas perecem pelo uso, segundo os preceitos e doutrinas dos homens; 23 As quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria, em devoção voluntária, humildade, e em disciplina do corpo, mas não são de valor algum senão para a satisfação da carne.

As epístolas pastorais denunciam a pregação composta de mitologia e genealogia (1Ti 1:4-8),
4 Nem se dêem a fábulas ou a genealogias intermináveis, que mais produzem questões do que edificação de Deus, que consiste na fé; assim o faço agora. 5 ¶ Ora, o fim do mandamento é o amor de um coração puro, e de uma boa consciência, e de uma fé não fingida. 6 Do que, desviando-se alguns, se entregaram a vãs contendas; 7 Querendo ser mestres da lei, e não entendendo nem o que dizem nem o que afirmam. 8 Sabemos, porém, que a lei é boa, se alguém dela usa legitimamente;

assinaladas por rigoroso asceticismo (1Ti 4:3-7),
3 Proibindo o casamento, e ordenando a abstinência dos alimentos que Deus criou para os fiéis, e para os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças; ... 7 Mas rejeita as fábulas profanas e de velhas, e exercita-te a ti mesmo em piedade;

'fábulas judaicas' (Tit 1:14-16),
14 Não dando ouvidos às fábulas judaicas, nem aos mandamentos de homens que se desviam da verdade. 15 Todas as coisas são puras para os puros, mas nada é puro para os contaminados e infiéis; antes o seu entendimento e consciência estão contaminados. 16 Confessam que conhecem a Deus, mas negam-no com as obras, sendo abomináveis, e desobedientes, e reprovados para toda a boa obra

espiritualização da ressurreição (2Ti 2:18),
Os quais se desviaram da verdade, dizendo que a ressurreição era já feita, e perverteram a fé de alguns.

e perniciosos acompanhamentos morais (2Ti 3:5-7)
5 Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te. 6 Porque deste número são os que se introduzem pelas casas, e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências; 7 Que aprendem sempre, e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade.

-- o conjunto inteiro era falsamente denominado gnosis (1Ti 6:20).
O Timóteo, guarda o depósito que te foi confiado, tendo horror aos clamores vãos e profanos e ás oposições da falsamente chamada CIÊNCIA,



 A cancerosa heresia refutada nas epístolas joaninas negava a humanidade de Cristo (1Jo 4:3; 2Jo 1:7).
E todo o espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne não é de Deus; mas este é o espírito do anticristo, do qual já ouvistes que há de vir, e eis que já está no mundo. (1 Joãn 4:3)

Porque já muitos enganadores entraram no mundo, os quais não confessam que Jesus Cristo veio em carne. Este tal é o enganador e o anticristo. (2 Joãn 1:7)

É usada a frase dos falsos mestres e que cheira a gnosticismo 'as cousas profundas de Satanás' (Apo 2:24).
Mas eu vos digo a vós, e aos restantes que estão em Tiatira, a todos quantos não têm esta doutrina, e não conheceram, como dizem, as profundezas de Satanás, que outra carga vos não porei.



Algumas das características menos satisfatórias da vida da igreja de Corinto refletem termos e conceitos desenvolvidos pelo gnosticismo:

o deleite na gnosis (1Co 8:1; 13:8)
Ora, no tocante às coisas sacrificadas aos ídolos, sabemos que todos temos ciência. A ciência incha, mas o amor edifica. (1 Coríntios 8:1)

O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá; (1 Coríntios 13:8)
e na sabedoria (1Co 1:17-21);
17 ¶ Porque Cristo enviou-me, não para batizar, mas para evangelizar; não em sabedoria de palavras, para que a cruz de Cristo se não faça vã. 18 Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus. 19 Porque está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios, E aniquilarei a inteligência dos inteligentes. 20 Onde está o sábio? Onde está o escriba? Onde está o inquiridor deste século? Porventura não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo? 21 Visto como na sabedoria de Deus o mundo não conheceu a Deus pela sua sabedoria, aprouve a Deus salvar os crentes pela loucura da pregação.

o perigoso liberalismo de alguns quanto às questões sexuais, enquanto que outros punham em dúvida o acerto [aconselhabilidade] do próprio casamento (1Co 6:13 ss; cap 7)
... 2 Mas, por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido. 3 O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher ao marido. 4 A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também da mesma maneira o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher. 5 Não vos priveis um ao outro, senão por consentimento mútuo por algum tempo, para vos aplicardes ao jejum e à oração; e depois ajuntai-vos outra vez, para que Satanás não vos tente pela vossa incontinência. ... 9 Mas, se não podem conter-se, casem-se. Porque é melhor casar do que abrasar-se. 10 ¶ Todavia, aos casados mando, não eu mas o Senhor, que a mulher não se aparte do marido. 11 Se, porém, se apartar, que fique sem casar, ou que se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher. 12 Mas aos outros digo eu, não o Senhor: Se algum irmão tem mulher descrente, e ela consente em habitar com ele, não a deixe. 13 E se alguma mulher tem marido descrente, e ele consente em habitar com ela, não o deixe. 

e negavam o fato da ressurreição (1Co 15:12).
Ora, se se prega que Cristo ressuscitou dentre os mortos, como dizem alguns dentre vós que não há ressurreição de mortos? (1 Coríntios 15:12 BRP)



Essas coisas eram apenas sintomas; certamente não constituíam ainda um sistema; porém exibiam o solo onde os sistemas gnósticos se desenvolviam tão luxuriantemente. E Paulo, em réplica a essas coisas, pode empregar o vocabulário gnóstico, ao mesmo tempo que o desinfetava (1Co 2:6ss;
6 ¶ Todavia falamos sabedoria entre os perfeitos; não, porém, a sabedoria deste mundo, nem dos príncipes deste mundo, que se aniquilam; 7 Mas falamos a sabedoria de Deus, oculta em mistério, a qual Deus ordenou antes dos séculos para nossa glória; 8 A qual nenhum dos príncipes deste mundo conheceu; porque, se a conhecessem, nunca crucificariam ao Senhor da glória. 9 Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, E não subiram ao coração do homem, São as que Deus preparou para os que o amam. 10 Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus.

cf. Bultmann em TWNT, s.v. Gnosis; E. T. Gnosis, 1952): por exemplo, Paulo pode revolucionar a idéia gnóstica do pleroma (q.v.) dos seres intermediários declarando que o pleroma inteiro acha-se em Cristo (Col 1:19).
Porque foi do agrado do Pai que toda a plenitude nele habitasse,




Tais depredações, características do Novo Testamento, contra a terminologia religiosa contemporânea alcançam contato mental com aquele vocabulário criado no seio do Cristianismo sem, entretanto, ceder coisa alguma ao pensamento não-bíblico. O arcabouço do Novo Testamento -- quer sobre a eleição, ou sobre o conhecimento de Deus, ou sobre a Palavra, ou sobre o Redentor -- é provido pela revelação do Antigo Testamento, não importando de onde tenha provido a terminologia empregada. O gnosticismo, com seus elementos gregos, orientais e judaicos, quer considerado como uma religião mundana (cf. G. Quispel, Gnosis als Weltreligion, 1951) ou simplesmente como uma tendência, permaneceu como sistema caracteristicamente pagão. Apegou-se ao Cristianismo meramente como um parasita, e  tomou forma definida alimentando-se do mesmo. Quando muito era um desejo de alcançar os alvos cristãos conforme uma maneira pagã. O Evangelho da Verdade mostra um homem apegando-se, através da tradição Cristã, a uma Cruz para a qual o sistema dá pouca importância; eventualmente, porém, os gnósticos da Cristandade foram obrigados a escolher entre o Evangelho e o maniqeísmo.
 


Terminamos de citar "O Novo Dicionário da Bíblia", passaremos a citar artigo copiado de http://www.umpjau.hpg.com.br/artigos/artigo_00.htm (site Presbiteriano):


 


A BÍBLIA E A NOVA ERA


Os textos bíblicos contestam claramente os ensinamentos da Nova Era.



A – DEUS


1)      Espírito Pessoal

Joã 4:24 “Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade”. 

Gên 17:1 “Quando atingiu Abraão a idade de noventa e nove anos, apareceu-lhe o Senhor e disse-lhe Eu sou o Deus Todo-Poderoso: anda na minha presença e sê perfeito”. 



2)       Expressão Máxima e Absoluta de Amor  

Mat 3:16 “Batizado Jesus, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba vindo sobre ele”.
Mat 3:17 “E eis uma voz dos céus, que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo”.

1Joã 4:8 “Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor”.



3)       Juiz do Universo

Eze 34:20 “Por isso, assim lhes diz o Senhor Deus; Eis que eu mesmo, julgarei entre ovelhas gordas e ovelhas magras”.

Ato 17:30b “agora, porém, notifica aos homens que todos em toda parte se arrependam”.

Ato 17:31 “por quanto estabeleceu um dia em que há de julgar o mundo com justiça por meio de um varão que destinou e acreditou diante de todos, ressuscitando-o dentre os mortos”.



4)       Único

  Isa 44:6 “Eu sou o primeiro, eu sou o último, e além de mim não há Deus”.





B – JESUS CRISTO


A Nova Era afirma que Cristo veio sobre Jesus por ocasião de seu batismo e partiu 3 anos depois com a sua morte na cruz.



1)       A Bíblia relata que Jesus é:

a)       Emanuel  “Deus Conosco”

Mat 1:23 “Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e ele será chamado pelo nome de Emanuel, que quer dizer: Deus conosco” (Isa 7:14).



b)      Salvador

Luc 2:11 “é que hoje vos nasceu na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor”.

Gl. 2:20 “logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que agora tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim”.



c)      Deus e homem (totalmente)

Joã 1:1 “No princípio era o verbo e o verbo estava com Deus e o Verbo era Deus

Joã 1:14 “e o verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade e vimos a sua glória, glória como a do unigênito do Pai”.

... 



2)      Em sua deidade absoluta, Jesus é chamado:

a)      Deus forte

Isa 9:6 “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o nome será Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Princípio da Paz.



b)      Criador e sustentador do Universo

Col 1:15 “Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação".
Col 1:16 “pois nele foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele”.
Col 1:17 “Ele é antes de todas as cousas Nele tudo subsiste pelo seu filho”.

Heb 1:3 “Ele que é o resplendor de glória e a expressão exata de seu ser, sustentando todas as cousas pela palavra de seu poder, depois de ter feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à direita da majestade nas alturas”.



c)      Alfa e Ômega, o primeiro e o último, o princípio e o fim

Apo 22:13 “Eu sou o Alfa e o Ômega, o primeiro e o último, o princípio e o fim”.



d)      O único Caminho, a Verdade e a Vida

Joã 14:6 “Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, a verdade e a vida: ninguém vem ao Pai, senão por mim.





 

C – JUÍZO, CÉU E INFERNO


Mat 25:41 “Então o rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos”.

Mat 25:46 “E virão estes para o castigo eterno, porém os justos para a vida eterna”.  




D – SALVAÇÃO  


A Bíblia ensina que temos uma única oportunidade nesta vida de obter a salvação, não duas ou mais (a reencarnação pregada pela Nova Era):

Heb 9:27 “Aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois  disso o juízo”.



É impossível alcançar o padrão de conduto que Deus exige. Para isto se manifestou o Filho de Deus: morrer pelos pecados do mundo a fim de que, pela fé (e não obras), o homem se reconcilie com Deus.

Luc 24:45,46 e 47 – Jesus explica as Escrituras, 45 “Então lhes abriu o entendimento para compreenderem as Escrituras; 46 e lhes disse: Assim está escrito que o Cristo havia de padecer e ressuscitar dentre os mortos no terceiro dia; 47 e que em seu nome se pregasse arrependimento para remissão de pecados, a todas as nações, começando de Jerusalém”.

1Ped 2:24 “carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados, para que nós, mortos aos pecados, vivamos para a justiça; por suas chagas fostes sarados”.



Jesus Cristo é o nosso único e suficiente Salvador.

Ato 4:12 ‘E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos”.



Terminamos de citar o artigo de http://www.umpjau.hpg.com.br/artigos/artigo_00.htm (site Presbiteriano)

 


 




(organizado por Valdenira N. de M. Silva)




(retorne a http://solascriptura-tt.org/ Seitas/
retorne a http:// solascriptura-tt.org/ )